André: o retorno à simplicidade

By : Outubro 9th, 2021 #umdiadecadavez 0 Comments

Numa sociedade onde falamos cada vez mais sobre agricultura orgânica, respeito ao nosso planeta, sustentabilidade, hoje queremos falar dum projeto que fez dessas questões uma verdadeira missão. Este é o projeto de André Maciel.

Originário de Setúbal, André sempre demonstrou uma grande sensibilidade para com a natureza. Depois de estudar “Design do equipamento” em Setúbal, começa a dedicar-se à realização de projetos com materiais reciclados.

Neste projecto e nesta sua paixão a sua família estará sempre presente, em particular o seu irmão e o seu melhor amigo que o apoiarão de imediato nesta aventura.

E assim nasceu o seu primeiro projeto Purisimpl em 2013.

André acredita firmemente que é possível ser autossustentável, criar um pequeno ecossistema e produzir a nossa própria comida.

Por trás da ideia deste projeto existe uma história pessoal muito forte, o próprio nome a esconde. Purisimpl: puri da purifição, que não significa apenas purificação, mas que era também o nome da mãe de André que morreu prematuramente após um tumor quando André tinha apenas 13 anos. 

Ele lembra que no último período houve uma melhoria com o facto que a sua mãe tinha começado a seguir uma dieta orgânica e saudável. Para André foi um sinal; ele começou a pensar sobre como esta e outras doenças estão intimamente relacionadas à nutrição.

 

Os produtos orgânicos existem há muito tempo, mas costumam ser muito caros para a maioria da população. Portanto, a ideia de André é “Por que não ter certeza de que produzimos os alimentos de que precisamos?”

É precisamente para seguir a sua paixão que em 2015 André parte para Coimbra onde estuda Agricultura Orgânica e, após um período de pausa em que se dedica a outras coisas, retoma o seu projeto.

A ideia básica é poder criar alimentos orgânicos para todos e ao alcance de todos, contando com a participação de todos na produção dos nossos alimentos, utilizando a energia da terra, criando um verdadeiro pequeno ecossistema dentro da cidade. O que é chamado de Permacultura.


Hoje se fala muito em salvar o nosso planeta, respeitá-lo e buscar formas de cuidar dele. 

André começou muito jovem a perseguir esta ideia, a princípio até pouco levado a sério por aqueles que o consideravam um menino que corria atrás duma utopia.

Embora hoje este seja o seu trabalho, para André era e é uma verdadeira missão “educar” as pessoas para um tipo de vida e relação com a terra completamente diferente.

O André se define como ativista de alguma forma, e este projeto é um movimento real no qual acredita firmemente.

Para que isso funcione, para que esta nova forma de vida alcance o maior número de pessoas possível, é necessário antes de tudo que tudo seja simples (daí a segunda parte do nome Purisimpl) quase um retorno à simplicidade inicial. Temos que voltar a entender as coisas simples, colocar as mãos na terra, voltar a sentir esse vínculo com a própria terra.

Três pilares são aqueles nos quais este projeto se baseia: Acreditar, Agir, Evoluir.

E a vida de André e o crescimento do seu projeto se baseiam justamente nisso. Acreditar plenamente, mesmo quando ninguém acreditou, mesmo quando a sua ideia parecia uma utopia, uma vaga ilusão; agir e pôr em prática concretamente aquilo em que acredita mostrando aos outros, com o seu exemplo concreto, que tudo isso é possível; Evoluir, continuar a crescer neste caminho.

A vida de André cruza-se com a de Lisboa em 2017 e três anos depois, em 2020, nasce um novo projeto, uma nova semente da planta mãe que continua a ser o Purisimpl.

O André dedica-se aos jardins urbanos de Lisboa com o intuito de incentivar e motivar as pessoas a fazerem a sua própria horta em casa.

E assim nasceu o projeto Hortas LX. O André também criou uma página no Facebook e no Instagram com o objetivo de aconselhar as pessoas que estão começando a se aproximar desta nova realidade.

Um grande impulso a este projeto é dado justamente pelo período de crise em que vivemos. Esta época de pandemia despertou em muitas pessoas o desejo de retomar o nosso planeta, de fazer algo concreto e também de aprender a produzir por conta própria o que é mais necessário.

O lema do projeto Hortas LX é “cuidar do que vai cuidar de nós”, que é a nossa alimentação.

Mas o que mais chama a atenção neste projeto é o facto de que em torno da criação do jardim se cria uma verdadeira pequena sociedade, onde não necessariamente todos devem poder plantar o seu próprio jardim, porque talvez haja alguém que vai plantar para ele. O que realmente importa é que todos trabalhem juntos para um projeto comum. Uma ideia de ajuda mútua para dar origem a uma sociedade melhor.

Hoje Horta LX é um projeto importante, com serviços de consultoria, workshops.

Existe também uma escola, que depende da realização das suas aulas, no clube desportivo de Campolide, e que foi criada pelo Fundoambiente, a “Escola a compostar” que já conta com 500 inscrições e oferece cursos presenciais e online.

E são  criadas hortas também dentro das empresas e André se encarrega de criar e gerenciar as equipes que vão cuidar desses espaços. Começa por plantar a horta numa área comum da empresa e depois, uma reunião mensal para aprofundar cada vez um tema diferente e ao mesmo tempo ajudar na gestão do espaço, o que num ambiente onde normalmente existe uma rotina fria, torna-se um pequeno oásis para cuidar, onde trabalhar juntos, onde colaborar na realização dum projeto comum, uma forma alternativa de criar este trabalho em grupo, a equipe, que é tão importante nas empresas.

O André dá-nos as boas-vindas ao “Underground Village” onde hoje se encontra o seu escritório, em ambiente de co-working. Um lugar, mas também um desafio: num espaço de pedra e autocarros antigos, hoje contentores onde estão os escritórios, o desafio é transformá-lo num ambiente verde, através dos seus jardins.

O André é também grower da Noocity, criadores dos vasos inteligentes que rodeiam os autocarros onde o André realizou umas hortas onde tudo o que é produzido é aproveitado na cozinha do restaurante do village.

E os jardins são verdadeiramente extraordinários: plantas aromáticas, flores comestíveis, vegetais e frutas de vários tipos. Um mundo verdadeiramente incrível. E perante dois italianos como eu e Alex, o André não resiste e prepara-nos o bouquet mais perfumado que pode existir: o de manjericão.

A maior satisfação de André hoje é ter convencido aqueles que o acusavam de ser um sonhador, de ter mostrado que aquilo por que lutava pode tornar-se realidade e que se tornou uma realidade concreta. E mais ainda, ver muitas dessas pessoas hoje interessadas no que André faz com os seus projetos.

Afinal, este projeto é a imagem do André, que trabalhou dando o seu exemplo, mostrando que era possível fazer o que ele falava. E hoje existe um pouco dele em todos os projetos que criou.

Existem jardins urbanos no Porto, Setúbal e também em Lisboa. Novos jardins foram plantados em escolas, empresas e até em casas das pessoas.

Mas o que continua a dar ao André mais alegria e satisfação é quando se encontra com as suas plantas, com as mãos na terra e em contacto com a natureza.

O que o André procura fazer através dos seus vários projectos e do seu trabalho é antes de tudo passar a mensagem, uma mensagem concreta que diz que podemos realmente cuidar do nosso planeta e do nosso futuro, mas podemos fazê-lo de forma concreta, através de um regresso à simplicidade, para a terra, com as nossas mãos na terra. Para cuidar mesmo, como diz o André, do que vai cuidar de nós.

«

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *